ESTÁGIO E PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA:

pesquisa e prática docente em Sociologia

Autores

  • Roberto Gerônimo de Farias Lemos Abecs-Maciço de Baturité
  • Francisco Evandro Lemos Santos Abecs- Maciço de Baturité
  • Monyque Mary Bezerra de Holanda Abecs- Maciço de Baturité

Palavras-chave:

Formação docente, Residência Pedagógica, Ensino de Sociologia

Resumo

A formação de docentes de sociologia passou a ter maior atenção nas discussões sobre a educação a partir da Lei n. 11.684/2008, embora hoje alterada a reorganização curricular do ensino médio com a Lei n. 13.415/2017. Entretanto, os estágios, como instrumentos de formação docente, ainda têm sua importância minimizada ou resumida a uma atividade prática. Dessa forma, propomos desconstruir o estágio como unicamente uma atividade prática e entendê-lo como uma atividade de pesquisa “sociológica” do contexto escolar, tornando-se, assim, uma pedra angular na formação dos docentes em sociologia. Trabalhamos essa questão a partir das leituras dos textos teóricos que contribuíram para pensar os estágios como práticas de pesquisa e as experiências obtidas no decorrer do programa Residência Pedagógica em Sociologia da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, localizada no Ceará. O intuito deste trabalho é contribuir para as discussões a respeito da formação docente em sociologia, percebendo o estágio como atividade essencial para a construção identitária do professor de Sociologia na relação com as escolas de educação básica.

Referências

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Edital nº 38, de 28 de fevereiro de 2018. Programa de Residência Pedagógica. Disponível em: 28022018-portaria-n-38-institui-rp-pdf (www.gov.br). Acesso em: 20 dez. 2021.

COSTA, Elisângela André da Silva. Programa Residência Pedagógica UNILAB: em busca de uma formação de professores pautada pela reflexão crítica sobre a realidade. In: COSTA, Elisângela André da Silva et al. (org.) Programa Residência Pedagógica-UNILAB: os desafios de ensinar e aprender a profissão professor(a) à luz da diversidade. Porto Alegre: Ed. Fi, 2020, p. 18-32.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

LEITE, Lígia; RAMOS, Margareth. A metodologia Ativa no Ambiente Virtual de Aprendizagem. In: SILVA, Andreza; BIEGING, Patrícia; BUSARELLO, Raul (orgs.). Metodologia Ativa na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2017, p. 85-101.

OLIVEIRA, A.; BARBOSA, V. S. L. Formação de professores em ciências sociais: desafios e possibilidades a partir do estágio e do PIBID. Revista Inter-Legere, v. 1, n. 13, p. 140-162, 2013.

RIBEIRO, Luís Távora Furtado. Trabalho docente e escola na sociedade mundial. In: RIBEIRO, Luís Távora Furtado. A interdição do futuro no mundo em pedaços: educação e sociedade. Curitiba: Appris, 2019, p. 50-77.

ROWER, Joana Elisa; ALVES, Maria Alda de Sousa; GOMES, João Paulo Freitas. Escola e formação docente: narrativas plurais. In: BODART, Cristiano das Neves (org.). Sociologia e Educação: debates necessários. Maceió: Café com Sociologia, 2019, p. 151-170.

SOUZA, Jordânia de Araújo; MARINHO, Noélia Nunes; GAUDÊNCIO, Júlio Cezar. Ensino e docência: desafios para a formação e atuação de professores de sociologia/ciências sociais. Política & Sociedade, v. 14, n. 31, p. 63, 2016.

TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, v. 21, n. 73, p. 209-244, 2000.

Downloads

Publicado

21-01-2022

Edição

Seção

Relato de Experiência